Salve salve pessoas.

Hoje, vou estrear mais um quadro aqui no AN, falando sobre livros. Literatura é uma ‘praga’ que se aprende na escola e com seus avós durante a infância, ainda mais quando eles te ensinam a ler e escrever. Aumenta com o ritmo que você estuda e é obrigatório quando chega à faculdade. Além de tudo isso, temos o fator ‘gosto’. Gostar de um tipo de livro não é menosprezar outros, assim como tem autores dos quais eu gosto e, talvez, você não. Mas quero deixar claro que minha coleção de Senhor dos Anéis está alojada na prateleira de casa, ao lado dos livros de Isaac Asimov e, o exemplar de A Batalha do Apocalipse – esse também terá uma resenha por aqui.

Mas hoje vamos falar de um autor que muita gente despreza, mas se tratando de literatura, é muito melhor do que vários brasileiros juntos: Dan Brown. Não vou discutir modo de linguagem, palavras técnicas, misticismo em cima de religião e seitas antigas, vou falar de um livro pouco discutido e difamado igual seu ‘Da Vinci’, mas com características de um filme de ação em Hollywood: Ponto de Impacto (do original, Deception Point). Ponto é o terceiro livro na carreira do autor e, em minha opinião, o melhor dentre os quais já li. O livro não aborta temas problemáticos, não induz suposições de seitas e nem joga na cara do mundo que existem teorias malucas sobre religião. Ele é um típico livro de ficção que apresenta fatos relevantes e uma história sem pontas soltas sobre uma descoberta científica e um escândalo político para derrubar tal descoberta.

Estamos nos dias atuais e os Estados Unidos passam por uma pré-eleição presidencial, dois candidatos disputam o mais alto cargo americano por meio de ofensivas políticas. De um lado, o presidente em exercício Zachary Herney está afastado dos holofotes deixando um caminho aberto para a oposição liderada pelo senador Sedgewick Sexton atacar a Casa Branca e, principalmente a NASA. No mesmo instante, somos apresentados a Rachel Sexton, uma importante analista de informação que trabalha para o NRO – instituição do governo federal – e também é a filha do senador.

Em meio a briga de egos, a NASA encontra um enorme meteorito enterrado na geleira Milne, no Ártico, contendo inúmeros animais fossilizados confirmando a existência de uma forma de vida não-terrestre. O meteorito seria o jeito encontrado de o governo americano rebater as críticas do senador e apresentar provas suficientes para o gasto excessivo de dinheiro. Para isso, Rachel Sexton tem uma rápida entrevista com o presidente Herney e viaja rumo à geleira para confirmar o meteorito como extraterrestre. Com ela, mais quatro renomados cientistas são enviados para o Ártico a fim de verificar os dados, entre eles o oceanógrafo e apresentador de TV Michael Tolland. Com o desenrolar da história, fica claro que alguma coisa está errada e as provas apresentadas mostram que o meteorito pode ser muito bem uma fraude do governo. Um a um, os cientistas são perseguidos por um grupo de assassinos profissionais e tentam sobreviver aos tiros, perseguições e ao frio do Ártico para levar à terra firme provas concretas do que acontece na geleira.

A teoria da conspiração pode até ser batida por causa dos inúmeros filmes – e outros livros – que abordam o tema, mas a ‘cereja do bolo’ é a forma narrativa dos acontecimentos feita com cautela pelo autor. Preocupado em apresentar os fatos, sem deixar passar nada despercebido, Dan Brown utiliza de capítulos curtos para mostrar o que cada personagem está fazendo, como se ele estivesse na sala de montagem de um filme qualquer. Com um corte rápido, a cena está na geleira, em temperaturas mais baixas possíveis, e seu sangue está fervendo com a adrenalina na pele dos cientistas fugindo dos assassinos, ou então na calma de um escritório em Washington com o presidente.

Assim é Ponto de Impacto, um livro que passou desconhecido da mídia por não ser tão polêmico, mas vale para quem gosta da ação e do suspense de uma boa teoria da conspiração. Bem formulado, com uma reviravolta no final – de cair o queixo – e uma trama unida até os últimos instantes, mesmo com a participação de mais de 20 personagens diferentes, esta é a minha indicação para começar bem a semana. Segunda que vem tem mais sobre literatura aqui no AN.

Leo Luz tem certeza de que faz parte de algum plano maluco do governo.